O que os especialistas dizem sobre o período pós isolamento social.

O Coronavírus parecia uma realidade distante e agora estamos todos em período de quarentena, esperando o fim do isolamento social.
Com certeza você teve a sua vida atingida, mesmo que de forma indireta.

Os profissionais da saúde mental relatam que sintomas como depressão, ansiedade e transtorno obsessivo compulsivo foram mais relatos durante o período.

Tais sintomas não apareceram somente no Brasil, mas em diversos países que passaram e ainda estão em quarentena. O medo é outro sentimento relatado em meio a pandemia.

Contudo, agora já se fala sobre o fim da quarentena e a retomada gradual das atividades, o que isso quer dizer? Como a saúde mental ainda pode ser prejudicada?

Essas são questões que serão respondidas em nosso artigo de hoje, tudo baseado em estudos científicos recentes e opiniões de especialistas.

Fim da quarentena x Fim do isolamento social

Primeiramente, temos que deixar algumas coisas claras para o leitor.
O fim da quarentena não significa vida normal (infelizmente), há diversos aspectos por trás que devem ser levados em consideração.

Sendo assim, possivelmente você vai poder voltar a trabalhar, com cuidados que antes não existiam, como máscaras, maior higienização nas mãos e distância mínima de clientes e outros funcionários, mas ao mesmo tempo, não poderá curtir livremente momentos de lazer.

Os especialistas continuam afirmando a necessidade de ter o contato com o menor número de pessoas, portanto, jantares com amigos, idas ao shopping, viagens ou mesmo festas, ainda não serão liberadas.

Alguns estudos indicam que o isolamento social será necessário até 2022, se até lá não houver nenhum tratamento ou vacina eficaz contra o Covid-19.

Psicólogos afirmam que a volta gradual as atividades podem ter consequências a saúde mental, tais como:

Medo

O medo é um dos sentimentos mais relatados quando o assunto é o Covid-19 e claro que a exposição pela volta das atividades vai intensificar ainda mais esse sentimento.

É algo considerado normal, portanto, não se preocupe se esse sentimento estiver presente em sua rotina, realmente estamos em uma situação de perigo.

Mas o que fazer nesses casos para que o medo não seja invadido e nos permita realizar as atividades diárias?

Não há muito o que ser feito nesses casos. A forma mais eficaz de se proteger é seguindo as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) quanto a higienização das mãos e o uso correto de máscaras.

Ansiedade

Vamos falar um pouquinho sobre a doença do século, a ansiedade, que está presente na sociedade moderna, mas que no período de quarentena e no pós, é uma preocupação ainda maior.

A ansiedade é um sentimento protetor e que já esteve presente na vida de todos nós em algum momento.
Ela passa a ser um problema quando atrapalha o nosso dia -a - dia e em casos mais graves, pode ser um verdadeiro paralisante.

Por que o Coronavírus aumentou os casos de ansiedade?

A resposta é simples. Não sabemos com que estamos lidando, quanto tempo vai durar e o que vai acontecer depois de tudo isso, situações novas tendem a gerar sintomas de ansiedade.

Em casos mais graves, as pessoas ficam lendo notícias sem parar, não dormem a noite, perdem a fome, evitam sair de casa para qualquer coisa e relaciona a doença sempre a morte.

Os pensamentos negativos também se tornam parte da vida da pessoa e caso precise trabalhar no final da quarentena, não irá conseguir ser produtiva.

Nos casos mais leves, exercícios de respiração, meditação, yoga ou mesmo tentar se distrair com outros assuntos, pode ajudar.

Em casos mais graves, o ideal é procurar ajuda profissional de um psicólogo e psiquiatria, a medicação e a terapia para mudanças de comportamentos se mostram funcionais.

Transtorno obsessivo compulsivo

O Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) faz parte dos diagnósticos de ansiedade e parece que será um problema no período pós-quarentena, onde as pessoas vão estar cada vez mais obcecadas por limpeza.

A explicação é simples, como forma de prevenção da doença passamos a higienizar a mão mais vezes, limpar os alimentos do mercado e desinfetar todos os cômodos da casa.

Por conta de todos esses cuidados, fica mais fácil repetir as ações toda hora, deixando de ser algo normal e que precisa ser feito, para algo desnecessário e totalmente exagerado.

As consequências mais vistas nesse período têm relação com as mãos, algumas pessoas chegam a machucar de tanto lavar e passar produtos.

Outras pessoas acordam de madrugada para verificar e fazer a higienização da casa.

Pesquisas indicam que pessoas da área da saúde possuem mais chances de desenvolver a doença, já que estão na linha de frente de enfrentamento ao problema e precisam de maiores cuidados.

É um transtorno bem sério, onde a pessoa sabe que tanto cuidado pode ser exagerado e sem efeito, mas ainda sim, não conseguem deixar de ter tais rituais.

Como é de se esperar, quem apresenta TOC sofre muito com isso, por isso a melhor alternativa é logo procurar ajuda médica e profissional.

Falsa liberdade

O regresso a normalidade é falso, como mencionado no início de nosso artigo. Algumas atividades podem e possivelmente vão voltar, mas ainda sim, não temos aquela liberdade de antes, pelo menos nos próximos meses.

Cientistas de todo mundo ainda alertam sobre a segunda onda, ou seja, sobre a possibilidade de diversos países voltarem a quarentena obrigatória por um novo aumento de casos.

O sentimento de frustração por regressar a quarentena poderá ser visto e junto com ele, sentimentos de tristeza e depressão.

Os especialistas revelam que é importante cuidar da saúde mental - mais do que nunca - durante esse período de mudanças, transições e novidades.

Para isso, tente ficar perto das pessoas que você ama, encontrar novas atividades de lazer em casa ou mesmo tirar um tempo para fazer o que sempre teve vontade, mas não tinha tempo.

A terapia online é sempre uma boa solução para a vida emocional equilibrada e a paciência precisa estar presente na vida de todos os brasileiros nesse momento.

Se você gostou do nosso artigo compartilhe com seus amigos.

Foto de capa créditos para: https://www.pexels.com/photo/monochrome-photo-of-man-covering-his-face-1556716/

Comentário Facebook